sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Qual o sentido do trabalho?

Por Gary Gutting
Para a maioria de nós, um trabalho remunerado ainda é absolutamente essencial - como sabem bem as massas de desempregados.
                                              O que então, é trabalhar? 
                                               Aristóteles dizia que:
                                
                                              "nós trabalhamos para ter lazer, 
                                               em que a felicidade depende."

Podemos passar por agora a questão de quais  atividades são verdadeiramente agradáveis para seu próprio bem - talvez comer e beber, esportes, amor, aventura, arte, etc e tal. O ponto é que o envolvimento em tais atividades - e compartilhá-los com os outros - é o que faz sua vida boa. Portanto, o Lazer deve ser a nossa meta principal e não o trabalho!
Segundo, Bertrand Russell: "Uma grande quantidade de danos", "está sendo feito no mundo moderno pela crença na virtuosidade de trabalho." Em vez disso, "o caminho para a felicidade e prosperidade encontra-se em uma diminuição organizada do trabalho." Antes que os avanços tecnológicos dos últimos dois séculos, o lazer poderia ser apenas "a prerrogativa de pequenas classes privilegiadas", apoiado por trabalho escravo ou um equivalente próximo. Mas isso não é mais necessário: "A moral do trabalho é a moral de escravos, e o mundo moderno não tem necessidade de escravidão."
Mas o capitalismo como tal, não está interessado em qualidade de vida. É, essencialmente, um sistema para produzir coisas para vender com lucro, maior será o melhor. Se os produtos venderem, porque melhoram a qualidade da nossa vida, muito bem, mas não na questão final por que eles vendem. O sistema funciona pelo menos tão bem que um produto qualquer é vendido não porque é um verdadeiro contributo para o bem-estar, mas porque as pessoas são falsamente persuadidas de que eles devem ter aquilo. Muitas vezes, de fato, é mais fácil convencer de comprar algo que é inferior à que se fazer algo que é superior. É por isso que as lojas estão cheias de produtos que atendem a modismos e inseguranças, mas sem real necessidade humana.
Parece, então, que devemos aumentar o lazer - e tornar a vida mais interessante - por produzirmos apenas o que faz para uma vida melhor. Por sua vez, os trabalhadores têm a satisfação de produzir coisas de valor real.
Mas isso levanta a questão essencial: quem decide o que é de real valor? A resposta do próprio sistema capitalista, os consumidores. Livres para comprar o que eles querem em um mercado aberto. Chamo este capitalismo de a própria resposta, porque é o único que mantém o sistema operacional de forma autônoma, a lei em si. E especialmente apela aos proprietários, gerentes e outros com interesse no sistema.
Mas a resposta não é sincera. Desde nossa infância o próprio mercado tem trabalhado para tornar-nos consumidores, preparados para comprar o que está vendendo, independentemente de sua relevância para o desenvolvimento humano. A verdadeira liberdade exige que nós tomemos parte no mercado como agentes completamente formados, com objetivos de vida determinados não por campanhas de publicidade, mas por nossa própria experiência e reflexão sobre as várias possibilidades de realização humana. Tal liberdade, por sua vez requer uma educação libertadora, não sobre o condicionamento de doutrinação, social ou formação técnica. Mas no desenvolvimento de pessoas capazes de compromissos informadas e inteligentes para os valores que guiam suas vidas.
É por isso que, especialmente em nossa sociedade capitalista, a educação não deve ser principalmente para a capacitação dos trabalhadores ou consumidores (ambas as ferramentas do capitalismo, como os marxistas podem dizer). Em vez disso, as escolas devem procurar produzir auto-determinados agentes que podem ver através dos agrados do mercado e insistir que o mercado ofereça o que eles mesmos decidirem do que eles precisam, para levar uma vida gratificante. O capitalismo, com sua devoção ao lucro, não é em si o mal. Mas torna-se mal quando se controla as nossas escolhas para o nome do lucro.
O capitalismo funciona para o bem somente quando nossas escolhas independentes determinar o que o mercado deve produzir para fazer um lucro. Estas escolhas - de educação liberal agentes livres - irá definir os padrões de produção capitalista e levar a um mundo em que, como disse Aristóteles, o trabalho é para o bem de lazer.
Estamos, infelizmente, longe deste ideal, o que é uma pena e trabalhando.

Nenhum comentário: